Blog                                                                                                                                                                                                           Facebook        Twitter         Youtube                                                                                                             
Sandra Fayad Bsb
Proseando em Versos
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Meu Diário
16/06/2019 17h34
Série Poemas Declamados: Minha Praia sem Sal

https://www.youtube.com/watch?v=XpLO5hSeKDc

(1:13) min.

Eixão é uma Avenida  de Brasília que atravessa a cidade em linha reta de Norte a Sul. Essa Avenida é fechada aos domingos para lazer das famílias, que passeiam a pé, de patins, bicicletas.  De ambos os lados da avenida há flores e frutos.
 

(In English)

Eixão is an avenue of Brasilia that crosses the city straight from North to South. This avenue is closed on Sundays for leisure of families, who walk on foot, skates, bicycles. On both sides of the avenue there are flowers and fruits.


Publicado por Sandra Fayad Bsb em 16/06/2019 às 17h34
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
16/06/2019 17h23
Série Poemas declamados: O Céu de Brasília em Abril

https://www.youtube.com/watch?v=VFa5cnPHHyY

(1:23)min

No mês de abril, observar de hora em hora o céu de Brasília é como assistir um filme, onde o cenário é mutável. Isto acontece porque nesse mês em especial os dias e as noites são quentes e chove várias vezes ao dia. São pequenas quedas d'água, que amenizam o calor e nos dá a senseção de despedida. A partir daí o céu fica azul por vários meses. A seca se instala esofremos todos ( pessoas, animais e plantas) com a falta de umidade no ar.

 

(In English)

In the month of April, watching the sky from Brasilia hourly is like watching a movie, where the scenery is changeable. This is because in this particular month the days and nights are hot and it rains several times a day. They are small falls of water, that soften the heat and gives us the sense of farewell. After there the sky turns blue for several months. The drought sets in and we all suffer (people, animals and plants) with the lack of humidity in the air.


Publicado por Sandra Fayad Bsb em 16/06/2019 às 17h23
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
15/06/2019 21h09
Primeira Maratona da 35ª Feira do Livro de Brasília

Minha participação: colaboração na localização de convite aos poetas, declamação de poemas, divulgação no Brasil e no exterior.

 


Publicado por Sandra Fayad Bsb em 15/06/2019 às 21h09
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
21/09/2018 19h21
Tertúlia Poética-Musical de 21-09-2018

Realizamos mais um encontro na minha casa para comemorarmos o ínicio da Primavera. Estiveram presentes vários poetas. Algumas novidades como Adroaldo, Letícia e Isadora. Alda Faiad nos brindou com uma linda dança cigana. O show musical ficou por conta do Cantor e compositor Clóvis Dáttoli., que abrilhantou e deu ritmo  especial à nossa Tertúlia . Sou grata aos que compareceram e prestigiaram mais esse encontro lúdico.


Publicado por Sandra Fayad Bsb em 21/09/2018 às 19h21
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
27/06/2018 22h22
POETAS AMIGOS 15

Capa do Grupo nº 175: JAEDER TEIXEIRA GOMES nasceu em Vermelho Novo, então distrito de Raul Soares, Minas Gerais, Brasil,  em 13/11/1952. Até os 19 anos combinou a vida na lavoura e o estudo regulamentar (ginasial). Saiu para trabalhar na indústria e não conseguiu conciliar trabalho e estudo, só vindo a concluir o segundo grau em 1990, através do Exame Supletivo. Aposentou-se em 2006, mas continua trabalhando. Em 2008 editou o livro de crônicas, contos e poesias, PELO BURACO DA FECHADURA. Em 2011 editou o livro O CÃO E A NUVEM, concorrendo ao prêmio Literatura Para Todos, do MEC. Trata-se de um romance de um cachorrinho de rua, muito observador. Jaeder gosta de observar cada movimento da vida, do tetravô ao tetraneto para não perder de vista as causas e efeitos. Jaeder se identifica como refratário à grande mídia, à propaganda massiva. Prefere “visitar pessoas de meia história, que tem dificuldade de romper a "casca do seu ovo" e se fazer notar. Coisa minha; não se ofendam. E por falar em coisa minha, ou nossa, quem quiser conhecer nosso cãozinho vá ao Google ou me envie seu e-mail”. A capa do livro é bastante atrativa.  Jaeder tem contribuído em nosso Grupo com lindos poemas, que vocês podem encontrar, digitando seu nome na janelinha “Pesquisar neste Grupo”. Visitem também sua página pessoal: https://www.facebook.com/jaederteixeirag

Capa do Grupo nº 176: FELIPE ROCHA: Pedi ao jovem Felipe que nos contasse um pouco da sua história. Ele nos enviou o seguinte texto: "Sou aluno do terceiro ano do ensino médio e poeta desde os 14 anos. Sempre me interessei por arte. Toco vários instrumentos musicais e gosto de vários estilos. Desde pequeno gosto de ler e escrever, buscando sempre entender e me aprofundar nas histórias que me são contadas. No ano passado fiz a minha página “Poema Vida” para tentar mostrar um pouco dos meus pensamentos e sentimentos, e principalmente da minha arte.”

Felipe é de Fortaleza (CE), compõe mcurte Raul Seixas, Alceu Valença e, em seus poemas, mostra-se apaixonado por uma musa que está sempre fora do seu alcance. Sua página pessoal é esta: https://www.facebook.com/felipe.rocha.90260403.

A seguir um de seus poemas:

Ela veio e vai embora
Aquela flor que conheci
Que mesmo em momentos difíceis não deixa se abalar
Ela veio e vai embora
E agora com quem irei falar
De um tudo compartilhar
Apenas para poder com ela estar
Mais sentirei mais falta do seu sorriso
Que muitas vezes me distraiu
Apenas por que ela olhou para mim e sorriu.

Felipe Rocha

 

Capa do Grupo nº 177: CARLOS VIEIRA é brasileiro, natural de Niterói/RJ. Nasceu em 1963, foi premiado e publicado em 2003 pela Funarte (Fundação Nacional de Arte) com a peça “Noite Maldormida”, que teve leitura dramática no Projeto Drama Tempo de Luciano Mazza nos teatros da Glória, Joquei e CCBB do Rio de Janeiro. Sua paixão pela dramaturgia começou aos 14 anos quando escreveu a primeira peça de teatro “Psicanagem”. Vários outros textos foram montados por grupos amadores de Brasília e Rio de Janeiro. Autor dos livros: Projeto Rizoma (conto infanto-juvenil), Quero ver alguém te querer (conto adulto); A cura (teatro adulto); Doces Dores Crônicas (crônicas), assinados como Carlos Vieira, HerrBarbuse ou Charles Barbuse. O escritor é Bacharel em Direito com especialização em Direito Público e pós-graduando em Psicanálise Junguiana. É publicado pela editora Chiado no livro Além da Terra Além do Céu, com a poesia Amores Hídricos.

Em sua página pessoal e nas suas publicações neste Grupo, é discreto e pouco mostra da sua talentosa e rica trajetória. Chamou-me a tenção este texto, razão porque resolvi pedir-lhe que nos enviasse uma mini-biografia. Está aí mais um participante com quem vocês podem trocar ideias. Seu endereço pessoal é: https://www.facebook.com/carlosvieira63

Abaixo seu texto:

“Certo dia me perguntaram: Onde está sua alma? Com calma respondi: Está nos livros que li, nas paredes em volta de mim, nos passos que dei e por onde parei, por onde vim, vi é venci. Minha alma está no coração de quem amei e no rim de quem odiei, não sei. Só sei que minha alma está onde eu estive enquanto eu aqui estiver, e ficará na lembrança de alguém até onde eu merecer ser lembrado. Depois será livro fechado, largado num canto qualquer. E sua alma onde está?”

Capa do Grupo nº 178: Gunter Brasil (Detlef Günter Thiel) - Ele nasceu na Alemanha. Aos 26 anos veio para o Brasil. No interior de São Paulo tomou conhecimento de que um outro alemão viveu uma grande aventura no século XVI em terras brasileiras. Pesquisou, estudou e escreveu uma história fantástica, que mostra a realidade inexplorada desse período, que sucedeu à chegada dos portugueses ao novo continente.

Abaixo sua biografia, que se confunde um pouco com a obra. Vale a pena conhecer. Boa leitura!

Eu nasci no dia 02 de julho de 1950 na cidade de Berlim-Oeste/Alemanha onde me formei em arquitetura na Universidade Técnica de Berlim. No dia 06 de outubro 1976 viajei para o Brasil acertando um contrato de trabalho com o Instituto de Pesquisas Técnológicas no campo da USP em São Paulo onde revalidei meu diploma, passando pela prova por escrito na especificação especial da História da Arquitetura no Brasil.

No Brasil, na cidade costeira de Bertioga/SP, perto da cidade portuária de Santos, eu me tornei ciente de um alemão chamado Hans Staden, um soldado lansquenete do condado de Hessen, que em 1557 transformou suas experiências, como membro do náufrago da expedição sanabria vindo da Espanha e prisioneiro dos Índios Tupinambás no Brasil, em forma de um livro na cidade de Marburgo, intitulado "Verdadeira Historia ... .Duas viagens ao Brasil” ". Este livro ainda é considerado como a primeira e mais abrangente documentação da flora, da fauna e da vida dos índios no Brasil. Em 1999, a adaptação cinematográfica pelo diretor Luiz Alberto Pereira sobre o cativeiro de Hans Staden com os índios, através do apoio financeiro por Brasil, Alemanha e Portugal, foi concluída com êxito. Estes três países classificaram o projeto como uma importante contribuição cultural para a compreensão internacional e, portanto, digno de patrocínio. Na Alemanha, aprofundei meus estudos sobre Hans Staden e cheguei à conclusão de que o filme de Luiz Alberto Pereira merece uma segunda parte, um relatório sobre Hans Staden, contando o que aconteceu depois de seu retorno ao seu pais, no condado de Hessen e como foi o mundo nesta época do renascimento. Durante minhas pesquisas encontrei um material tão empolgante, que este me levou a escrever um romance sobre a situação política e cultural de alguns dos países na Europa, a época da descoberta da América, “O Novo Mundo”, a vida cultural, religiosa, a importância económica, as alegrias, esperanças e medos dos povos da época do renascimento, quando nasceu a nação brasileira em sua “Hora 0”.

Saiba mais sobre o nosso homenageado aqui:

https://www.facebook.com/gunter.brasil

E conheça a obra histórica e sua repercussão internacional aqui: 

https://www.facebook.com/Hans-Staden-Sua-Alma-Minha-Alma-132550057611597/

Capa do Grupo 179: ARNALDO DE CASTRO COSTA é escritor e desenvolve atividades na sua área de formação acadêmica, que nos descreve a seguir: “O meu trabalho tem como principais sustentações os ensinamentos do Pathwork, as técnicas da Psicologia Transpessoal e a experiência da Cosmologia Transpessoal, na linha desenvolvida pela ONG Terapeutas Sem Fronteiras. Estudei na Unb em Brasília, trabalhei no Banco Central, fiz muitos cursos de autoconhecimento, terapias, etc.  Coloquei uma mochila nas costas e fiz o Caminho de Santiago e várias trilhas aqui no Brasil mesmo. A sensação de desapego me enche o espírito. Escrevi um pequeno livro sobre a dualidade do ser humano, “Sofia quer trocar de Nome”, base para um belo espetáculo de dança contemporânea que me deu muita alegria. Vários Posts deste Blog foram atualizados e reunidos num pequeno livro, “As mulheres saíram da cozinha, os gays do armário e os homens não sabem para onde ir”. Além do atendimento clínico a casais e individualmente, trabalho com grupos de pessoas que buscam a ampliação de consciência e a transformação pessoal. Exemplo é um programa de curta duração, num total de 10 sessões, chamado de Jornada de Herói, onde os participantes interagem num processo de elevação de sua maturidade para enfrentar as suas questões (heróicas) do dia a dia. Desenvolvo workshops também com temas variados, como “Relacionamentos Amorosos, uma Jornada Vivencial”, “Enfrentando os nossos medos” e “Antes que seja tarde, vamos viver?”, abordando questões práticas que propiciem mudanças de percepção sobre as relações afetivas e sobre a valorização da vida, do “aqui e agora”.  Seu site é www.arnaldocostaterapeuta.com.br 

 

Capa do Grupo 180: Vitor Manuel Abranches Castanheira nasceu em 22 de Abril de 1944, em Lisboa. Embora eu já o conheça através de seus lindos poemas, em que explora desde o amor até assuntos do cotidiano, e também do Portal Lusófono “Horizontes da Poesia”, pedi que nos  enviasse um resumo biográfico.  Assim se descreve: 

“Comecei a escrever poesia quando estava na tropa no ano de 1967 na província de Timor. Gosto do que escrevo, mas comecei a aperfeiçoar-me quando entrei no Facebook para uma página que dá pelo nome de HORIZONTE DE POESIA. Já antes escrevia tendo de salientar duas minipeças de teatro (Sketchs) que foram representadas no antigo Cinema Mundial e na antiga Feira das Industrias de Lisboa na Junqueira em Alcântara nos anos de 1976 e 1977 respetivamente. Uma curiosidade é que Vitor Castanheira assina com seu nome invertido e partido: ARIEH NATSAC . Podemos contatá-lo ainda através do seu Blogue

RELAMPAGOS DE UM ALVORECER, onde ele publicou centenas de poemas belíssimos:

https://ariehnatsac.blogspot.com/2010/09/danca-mirabolante.html

Ou de sua página pessoal:   https://www.facebook.com/vitor.castanheira.7 , onde há também textos em prosa, com bom humor e informações interessantes.

Capa do Grupo 181 - Vinícius Fernandes Cardoso nasceu em Belo Horizonte (MG), Brasil. É um dos oito fundadores da Academia Contagense de Letras (2001-2005), sendo que desde aquela época coleciona e divulga a literatura brasileira escrita por autores de Contagem-MG. Em 2010, defendeu a monografia “Vida literária na Região Metropolitana de Belo Horizonte entre 1990-2010: abordagem sócio antropológica”, como requisito parcial à conclusão da graduação em sociologia, graduando-se cientista social pela UFMG. Em 2014, inscreveu seu poema “Luxúrias lascivas, lancinantes...” no XXIII Concurso Nacional de Poesias Augusto dos Anjos, de Leopoldina-MG. O poema foi laureado com o primeiro lugar e o autor, com a láurea de melhor intérprete na defesa perante o júri. Autor dos livros “Leituras e Andanças: ensaios, cartas, entrevistas e poemas” (2004), “A Alma dos Bairros” (2007), “Nômade” (2008) e “Arroubos e Rompantes: primeiros escritos” (2012), além da monografia referida acima. Todos estes livros estão à venda no Clube de Autores e na Estante Virtual, mas Vinícius faz questão de doar seus livros para bibliotecas, sendo alguns encontrados em bibliotecas da RMBH e na Biblioteca Nacional. Desde 2004, colabora com o Jornal Regional Contagem e, a partir de 2013, passou a editar página inteira do referido jornal, onde já publicou vários talentos libertários, entre conterrâneos e contemporâneos, até autores consagrados e universais. Neste jornal, publicou diversas séries literárias, tais como: “Betim lê Contagem” (ensaios), “Fernando Januário in concert” (poemas), “Leituras e Andanças” (ensaios), “Folhetim Volante” (poemas), “Contos Contagenses” (contos), “Sociedade Massacrada” (libelos), “Yendis: personagem mitológico” (poemas), “O Careca” (sátiras), “Decas” (sátiras). Ainda neste jornal, sempre homenageia autores que nos deixaram, da literatura brasileira e universal, mas publica autores demasiado vivos e em plena produção, alguns iniciantes que nunca tiveram uma oportunidade de publicação. Continua nesta atuação de editor literário de jornal, tendo se tornado referência para os autores da sua região e alhures.  Vinícius também possui trabalhos no site Recanto das Letras e um blog próprio, o Folhetim Volante, com escritos variados seus. Aliás, para 2018, Vinícius deverá lançar finalmente a sua poesia reunida, seu apanhado poético, o que tem previsão para acontecer em outubro de 2018, na cidade de Contagem-MG. Aguardem notícias!

Capa do Grupo 182; MÁRCIO SOUZA reside em São José dos Campos ( SP), é funcionário aposentado do Banco do Brasil, 76 anos, casado, com mais de 650 trabalhos (textos, pensamentos, poemas), publicados em vídeos, áudios e por escrito, postados em sua página do Facebook ( https://www.facebook.com/marcio.souza.5437 ) e outros veículos de divulgação, inclusive no YouTube. Sempre apaixonado pela escrita de poemas e textos, passou a se dedicar a essa atividade, por hobby,  após sua aposentadoria, há cerca de 20 anos. Conta com a participação, com poemas de sua autoria nas seguintes Antologias lusófonas: Horizontes da Poesia - Lisboa - Anos 2017 e 2018; Livro Aberto 2018-Alenquer-Portugal, e Conexões Atlânticas- Brasil/Portugal. Seus trabalhos são também divulgados pela Rádio Horizontes da Poesia e neste Grupo Poetas Amigos BR, juntamente com outros participantes. Sua página no Horizontes da Poesia é: http://horizontesdapoesia.ning.com/profile/MARCIOANTONIODESOYZA?xg_source=profiles_memberList

 


Publicado por Sandra Fayad Bsb em 27/06/2018 às 22h22
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Página 2 de 70 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]

Site do Escritor criado por Recanto das Letras